previous arrow
next arrow
Slider

AGOSTO: O MÊS DAS VOCAÇÕES – “Não fostes vós que me escolhestes; fui eu que vos escolhi” (Jo 15,16)

Cada um de nós, batizados e filhos de Deus, somos chamados a desempenhar algo que frutifique as sementes da Boa Nova durante nossa vida, convertendo nossos passos aos de Cristo. Em primeiro lugar, compartilhamos um mesmo chamado, somos todos vocacionados à santidade. Ser santo não significa ser perfeito ou fabricar uma imagem de gesso para ser colocada em um altar; ser santo significa ser espelho da pessoa de Cristo, modificar nosso interior e nossa vida para que nos assemelhemos ao nosso Salvador, lutando diariamente para corrigir nossos erros e pecados. Em segundo lugar, somos chamados a uma vocação específica, ou seja, Deus chama a cada um a uma participação única em sua obra salvífica. Um chamado que completa nossos corações, permitindo-nos atingir a maturidade na fé e a verdadeira realização.

Desde 1981, a Igreja do Brasil, por uma decisão tomada pela Conferência dos Bispos do Brasil em sua 19ª Assembleia Geral, reza no mês de agosto por todas as vocações, dedicando cada um dos quatro domingos desse mês para uma vocação específica. No primeiro, celebra-se o sacerdócio e os ministros ordenados; no segundo, o matrimônio; no terceiro, a vida consagrada, e, por último, no quarto, a vocação dos Leigos.

No primeiro domingo, no qual rezamos a vocação sacerdotal e os ministros ordenados, lembramo-nos dos passos do próprio Cristo. É por meio das mãos sacerdotais que Cristo se faz presente, se faz Pão Eucarístico, e por meio dessas mesmas mãos que somos perdoados de nossos pecados e nos unimos intimamente a Deus. O padre é a presença de Cristo e a ponte que nos conduz a Deus. Sendo assim, rezemos para que mais jovens possam despertar em seus corações o anseio a vida sacerdotal, pedindo a Deus que nos envie, não muitas, mas santos sacerdotes.

No segundo domingo, no qual celebramos a vocação matrimonial, rezamos pelo berço de todas as vocações. É a família que, em primeiro lugar, tem o dever de formar bons cristão, de educar, de ensinar, de aconselhar, de disseminar o respeito. É no aconchego familiar que aprendemos a amar e a cuidar, é para onde corremos quando nos sentimos fracos e frágeis. Mas, em meio a acessão cibernética e da desconstrução de valores, o papel familiar decai socialmente, onde a família tornou-se apenas sinônimo de problemas e de gastos excessivos. Sendo assim, tomemos como exemplo a Sagrada Família e rezemos para que o amor seja disseminado em todos os lares.

No terceiro domingo, no qual rezamos as vocações religiosas, lembramo-nos dos “homens e mulheres que podem acordar o mundo” (Papa Francisco). Ao dedicarem-se as obras de caridade, de estarem disponíveis ao povo de Deus por meio da oração, de estarem envolvidos nas obras educacionais e em diversas missões, essa vocação faz com que a vontade de Cristo possa ocorrer de forma prática, buscando serem testemunhas vivas do Evangelho. Confiando suas vidas totalmente na misericórdia divina, os religiosos permitem-nos perceber que é possível seguir a Deus e converter nossas vidas a Dele, mesmo estando todos em um mundo de discórdia. Sendo assim, rezemos para que Deus capacite e encoraje ainda mais religiosos a irem nos locais mais remotos e serem testemunhas do amor de Cristo para a humanidade,

No último domingo, no qual rezamos a vocação leiga, rezamos pelos trabalhadores que permitem o Reino de Deus ser contemplado já na terra. Ser leigo é estar atuante e atento a caminhada da Igreja, é unir-se ao Evangelho e as palavras de Cristo. Ao auxiliarem nas diversas pastorais e ministérios, os leigos constroem e fortificam a caminhada da Igreja. Sendo assim, rezemos para que Deus incendeie o coração de seus filhos com Seu Santo Espírito, para que ainda mais fiéis possam dedicar-se ao verdadeiro serviço à Santa Igreja Católica.

Portanto, discernir a vocação é ajustar a dança de nossas vidas ao coração de Deus, é deixar-se ser conduzido pelo coração amoroso de um Pai que sonha com nossa felicidade. É Deus quem chama, é Deus quem escolhe, é Deus quem capacita, é Deus quem nos acolhe em seus braços misericordiosos.

Seminarista João Vitor

Paróquia Sagrado Coração de Jesus - Rua Cel. Aurelino,8 - Formiga-MG 37 3321-2955